Advogado alerta sobre riscos de compras e dá dicas para participação mais consciente durante a Black Friday

Ação de compras com descontos acontece neste ano em 26 de novembro, a última sexta-feira do mês. Consumidores devem ficar atentos para não caírem em golpes, orienta especialista

[Advogado alerta sobre riscos de compras e dá dicas para participação mais consciente durante a Black Friday]

FOTO: Divulgação

Neste mês de novembro acontece a tradicional Black Friday, data considerada como a segunda principal para o varejo nacional, perdendo apenas para o Natal, e uma das mais aguardadas pelo consumidor. A mega liquidação, que começou nos Estados Unidos, sempre acontece na última sexta-feira de novembro e neste ano cairá no dia 26 de novembro.

No entanto, a data chega rodeada de incertezas, sobretudo em relação à queda na renda da população brasileira e, consequentemente, uma perda do poder de compra. Dados da Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), realizada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), mostra que o número de brasileiros endividados cresceu em outubro e o percentual de famílias que declararam ter dívidas a vencer chegou a 74,6%.

Mesmo assim, a data ainda é bastante aguardada e de acordo com pesquisa realizada pela Alshop - Associação Brasileira de Lojistas de Shopping, 62% dos comerciantes vão fazer ações promocionais para a Black Friday 2021.

Com tantas promoções, o consumidor deve ficar atento para não cair em nenhuma cilada ou golpe, principalmente nas compras pela internet. O site do Procon-SP orienta o consumidor a evitar clicar em links e ofertas recebidas por e-mail ou redes sociais, fazendo sempre a consulta da página oficial da loja, de preferência digitando o endereço do site. “Verificar se o site de compra é confiável é outro cuidado que o consumidor deve ter. Na dúvida, consulte ferramentas como o Procon ou Reclame Aqui para checar a confiabilidade do site”, alerta Mateus Lorençato, sócio e advogado do escritório Brasil Salomão e Matthes Advocacia e especialista em Direito do Consumidor.

A Febraban - Federação Brasileira de Bancos também orienta o consumidor a redobrar os cuidados ao fazer as compras e destaca que os bancos brasileiros atuam em várias frentes com o objetivo de contribuir para o combate aos golpes e fraudes. Segundo a entidade, as instituições investem cerca de R$ 2,5 bilhões em sistemas de tecnologia da informação voltados para segurança, valor que corresponde a cerca de 10% dos gastos totais do setor com essa área.


Para evitar qualquer tipo de fraude com relação a valores dos produtos, principalmente neste período de promoções, o advogado explica que é importante “monitorar os preços dos produtos desejados com antecedência para verificar, durante a Black Friday, se os descontos realmente valem a pena ou se são enganosos”.

No caso de arrependimento da compra, Mateus Lorençato esclarece que, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor, em compras feitas fora do estabelecimento, o consumidor tem até sete dias para se arrepender, cancelar a compra, devolver o produto e pedir o dinheiro de volta. “O direito de arrependimento do consumidor é garantido em todas as vendas. Porém, algumas lojas oferecem promoções e afirmam que o consumidor não tem direito de devolver ou desistir da compra. Em todas as compras feitas pela internet, o cliente tem o prazo de reflexão de sete dias corridos para desistência”.


Comentários