Brasileiro recria rosto de múmia de 2.300 anos com ajuda de inteligência artificial

Segundo estudo, cadáver possuía megalocefalia, rara condição que deixa o cérebro maior

[Brasileiro recria rosto de múmia de 2.300 anos com ajuda de inteligência artificial ]

FOTO: Reprodução

Um grupo de cientistas liderado por um brasileiro reconstruiu o rosto de uma múmia de mais de 2.300 com a utilização de inteligência artificial. Segundo os especialistas, o jovem era descendente de uma família nobre e tinha um cérebro um tanto estranho. 

Minirdis, nome escrito em seu sarcófago, morreu por volta dos 14 anos, e seus restos mumificados estavam enterrados no cemitério de Akhmim, no Alto Egito, até serem encontrados em 1925.

Segundo o tabloide The Sun, Cícero Moraes, professor e designer brasileiro especialista em reconstrução facial forense e líder do estudo, disse que o jovem tinha megalocefalia, um distúrbio caracterizado por um cérebro anormalmente grande.

"Percebi que o caixão parece ser de uma pessoa mais velha que a múmia, mas mesmo assim a cabeça ocupa quase toda a extensão dele", completou Moraes.

Atualmente, os restos mortais do jovem estão na coleção do Field Museum de Chicago, nos Estados Unidos.


Comentários

Relacionadas

Veja Também

Fique Informado!!

Deixe seu email para receber as últimas notícia do dia!