Sons de Mercúrio lança o álbum "O Eu Chamado e Outras Jornadas"

Banda baiana aborda a natureza humana e temas do cotidiano em novo disco

[Sons de Mercúrio lança o álbum

FOTO: Divulgação

O grupo baiano Sons de Mercúrio lança o segundo álbum “O Eu Chamado e Outras Jornadas” na próxima sexta-feira (23). A obra, que fecha um ciclo iniciado em 2019 com “Entre Crendices e Amores Pagãos”, é marcada por canções que se apropriam dos arcanos do tarot para falar da natureza humana, sentimentos pessoais e temas do cotidiano. 

O álbum anterior do grupo rendeu o título de Melhor Disco Baiano do Ano em votação popular no tradicional portal El Cabong. Para felicidade da banda, o novo trabalho, que nem foi estreado, já tem a chancela de ser um dos selecionados pelo “Prêmio das Artes Jorge Portugal 2020 - Premiação Aldir Blanc Bahia”, da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb).

Formado pelo por Cartre Sans (voz, violão e piano) e Mohzah Nascimento (voz, violão e guitarra), Sons de Mercúrio é como um laboratório musical alquímico que surgiu da ideia de um espetáculo e foi ganhando corpo na parceria dos artistas.

A banda é marcada pelo psicodelismo que aparece na ideia de paisagem sonora. Além disso, as produções são recheadas de  folk, rock, indie, MPB e World Music. 

Gravado entre janeiro e maio deste ano no Netuno Estúdio (Feira de Santana-BA), o álbum foi pensado para ganhar os palcos assim que a pandemia acabar. O novo trabalho destaca a amplitude e a diversidade em participações especiais como a do cantor e compositor pernambucano Almério, do músico e cantor português Jorge Benvinda e dos cantores baianos Joana Terra e Fábio Cascadura. “Foi muito especial, cada um contribuiu de forma muito importante, o que elevou ainda mais o patamar do trabalho. Foi incrível”, comemora Cartre.

“O trabalho tem várias vertentes, várias coisas estão acontecendo e já com uma certa mudança em relação ao primeiro disco. Então a pegada do ritmo e a evidência das guitarras foi proposital da nossa parte. Tem toda essa questão do instrumental que é cativante, mas tem a parte de cuidar da construção do ser. A música, além de ser um condutor entre o sólido e o místico, o carnal e o celestial, também trata as feridas de uma sociedade cada vez mais doente. É um olhar mais para si e de se enxergar no outro. Hoje falta muito isso na sociedade”, completa Cartre Sans.

“O Eu Chamado e Outras Jornadas” têm apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.


 


Comentários

Relacionadas

Veja Também

Fique Informado!!

Deixe seu email para receber as últimas notícia do dia!