/

Home

/

Notícias

/

Mundo

/

Hamas acusa Israel de matar mais de cem civis que faziam fila por ajuda em Gaza

Notícias
Mundo

Hamas acusa Israel de matar mais de cem civis que faziam fila por ajuda em Gaza

Porta-vozes militares de Israel afirmaram que o episódio de violência partiu dos próprios palestinos

Por FolhaPress
Hamas acusa Israel de matar mais de cem civis que faziam fila por ajuda em Gaza
Foto: UNOCHA/Themba Linden

A facção palestina Hamas acusou as Forças de Defesa de Israel de dispararem contra centenas de civis que aguardavam em fila para receber ajuda alimentar em uma região próxima à Cidade de Gaza, a principal da faixa homônima, na manhã desta quinta-feira (29).

O grupo terrorista contra o qual Israel está em guerra há quase cinco meses afirmou que ao menos 112 pessoas morreram e que outras 280 ficaram feridas. Em um comunicado, acusou Israel de "uma guerra genocida" e de cometer "assassinatos em massa e uma limpeza étnica".

Porta-vozes militares de Israel afirmaram que o episódio de violência partiu dos próprios palestinos. De acordo com as Forças de Defesa, civis começaram a saquear o caminhão de ajuda e a se empurrar, deixando pessoas feridas e mortas por serem pisoteadas e atropeladas.

Depois, um pequeno grupo teria ido em direção às tropas israelenses. As Forças de Defesa dizem que teriam matado dez palestinos no momento, não os cerca de cem apontados pelo Hamas, uma vez que estariam acuadas e se vendo sob ameaça.

Após o posicionamento dos militares, um porta-voz do governo do premiê Binyamin Netanyahu chamou o episódio de uma tragédia.

"Os caminhões ficaram sobrecarregados, e as pessoas que dirigiam os caminhões, que eram motoristas civis de Gaza, avançaram sobre as multidões, matando, de acordo com o que entendi, dezenas de pessoas", disse Avi Hyman a repórteres.

O episódio teria começado durante a madrugada no horário local, quando cerca de 30 caminhões de ajuda humanitária chegaram ao bairro de Rimal, na Cidade de Gaza, para entregar suprimentos. Os militares divulgaram vídeo com imagens aéreas que dizem ser do momento das mortes. Nas cenas, é possível ver centenas de pessoas correndo para o entorno dos caminhões e subindo neles.

O diretor da emergência do hospital Al-Shifa, um dos únicos operantes em Gaza, por sua vez, afirmou que havia pelo menos 50 mortos, entre eles mulheres e crianças. "Morreram ao correr na direção dos caminhões de ajuda humanitária", disse Amjad Aliwa.

Também nesta quinta, o Ministério da Saúde de Gaza —controlado pelo Hamas, uma vez que o grupo governa a Faixa desde a segunda metade dos anos 2000— disse que o número de pessoas mortas chegou a 30 mil. Acredita-se que a cifra englobe civis e membros da facção.

Ainda no comunicado, o Hamas pediu que todos os cidadãos de nações árabes e islâmicas protestem "contra o massacre do povo palestino" e pressionem seus respectivos governos para que tomem uma posição "contra crimes de guerra israelenses".

Jordânia e Egito foram os primeiros a se manifestar. Em nota, a chancelaria jordaniana disse que condena "o brutal ataque das forças de ocupação israelenses contra palestinos que apenas esperavam ajuda". Já a chancelaria egípcia descreveu o ataque como desumano.

"Consideramos o ataque a civis que estavam apenas aguardando ajuda um crime vergonhoso e uma violação do direito internacional."

Em comentários separados, o alto comissário de direitos humanos da ONU, o austríaco Volker Türk, disse que crimes de guerra foram cometidos por todas as partes no atual conflito no Oriente Médio.

"Já passou da hora de paz, investigação e responsabilização", disse ele ao Conselho de Direitos Humanos da organização em Genebra.

Turk apresentava um relatório sobre a situação dos direitos humanos em Gaza e na Cisjordânia ocupada e disse que seu escritório registrou "muitos incidentes que podem constituir crimes de guerra pelas forças israelenses" e que haviam indicações de que tropas de Israel se envolveram em "ataques indiscriminados ou desproporcionais".

Mas também salientou que grupos armados palestinos, como o Hamas e o Jihad Islâmico, lançaram projéteis em todo o sul de Israel e também detiveram centenas reféns, em mais uma lista de violações ao direito humanitário internacional.

Em Washington, o presidente Joe Biden disse que sua equipe ainda está estudando os relatos das mortes desta quinta-feira.

Ele acrescentou, porém, que, ainda que isso esteja sob análise, é certo que o episódio complicará as conversas para um novo cessar-fogo que ocorre entre delegações de Tel Aviv e do Hamas no Qatar.

Anteriormente, o próprio Biden havia dito que havia expectativas para uma nova trégua na próxima segunda (4). Agora, o líder americano diz que esse prazo já não é mais real dadas as recentes mortes.
 

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie:redacao@fbcomunicacao.com.br

Faça seu comentário
Eu li e aceito osPolítica de Privacidade.
© 2018 NVGO
redacao@fbcomunicacao.com.br
(71) 3042-8626/9908-5073
Rua Doutor José Peroba, 251, Civil Empresarial, 11º andar, Sala 1.102