Alexandre Frota quer classificar ato de tirar a camisinha sem autorização do parceiro como crime

Segundo proposta, a prática seria passível de até 6 anos de prisão, mais pagamento de multa

[Alexandre Frota quer classificar ato de tirar a camisinha sem autorização do parceiro como crime]

FOTO: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Um projeto de lei que qualifica como crime o ato de retirar o preservativo durante o ato sexual e sem a concordância do parceiro, foi apresentado pelo deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP). De acordo com a proposta, a prática – chamada “stealthing” – seria passível de até 6 anos de prisão, mais pagamento de multa.

“Há a necessidade de criminalizar a conduta acima exposta, pois qualquer tipo de relação estabelecida entre pessoas civilizadas pressupõe acordo e consentimento, qualquer burla que possa trazer consequências a outrem de ser considerado crime”, afirma o parlamentar na proposta protocolada nessa segunda-feira (4).

“Estamos falando em dolo, pois o autor leva a vítima a acreditar que esteja praticando o sexo seguro, com o preservativo, mas de forma fraudulenta, de forma dissimulada, escondida, ele retira o preservativo durante o ato sexual e prossegue”, acrescentou.


Comentários

Relacionadas

Veja Também

[Cirurgia estética vaginal: conheça as opções de procedimentos e indicações! ]

Segundo dados divulgados pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, o Brasil é o país campeão em cirurgias íntimas

Fique Informado!!

Deixe seu email para receber as últimas notícia do dia!