Em luta pelo UFC 251, Aldo leva 62 golpes no rosto em três minutos; postura do árbitro é criticada

Outros lutadores se mostraram contrários à atitude do mediados do duelo

[Em luta pelo UFC 251, Aldo leva 62 golpes no rosto em três minutos; postura do árbitro é criticada]

FOTO: Getty Images

Mais um evento do UFC registrou polêmica com decisões de um juiz por não parar um combate. Na ocasião, o lutador brasileiro José Aldo até manteve o equilíbrio do confronto em alguns momentos, mas terminou massacrado no quinto round pelo russo Petr Yan. Contudo, o árbitro deixou o brasileiro apanhar por três minutos e tomar impressionantes 62 golpes antes de pausar o duelo.

Yan acertou um direto de esquerda em Aldo logo no início do quinto round, conseguiu um outro golpe chamado knockdown e acertou vários outros golpes no brasileiro no chão. Foram três minutos de uma sequência impressionante no rosto. Houve momentos, em que Aldo pareceu até ter desistido de se defender. Contudo, o árbitro Leon Roberts, deixou que o duelo fosse continuado.

A atitude não foi das melhores, já que brasileiro seguiu apanhando intensamente.

De acordo com a contagem oficial feita pelo UFC, Yan desferiu 113 golpes em pouco mais de três minutos do quinto round, 62 deles foram mais significativos, pois tiveram uma potência maior. Sob efeito de comparação, Aldo golpeou o russo 157 vezes durante toda luta, sendo 83 deles significativos.

A atitude do árbitro rendeu críticas nas redes sociais de lutadores do UFC.

“Que m***, juiz. Você está aí para proteger o lutador, seu estúpido. Se eu estivesse no corner, teria jogado a toalha”, escreveu Gilbert Durinho após o fim do combate.

“Essa luta deveria ter terminado muito antes. Isso foi desnecessário”, disse Vitor Belfort.

Porém, houve quem saísse em defesa do árbitro, como foi o caso de Junior Cigano.

“Agora, temos que reconhecer a ótima performance do árbitro, não se deixou impressionar e só parou a luta quando Aldo já estava sem chances de defesa. Parabéns a ele. Difícil de ver isso hoje em dia”, escreveu.


Comentários