Hipertensão, tristeza e resquícios da Covid-19

Confira o editorial desta terça-feira (14)

[Hipertensão, tristeza e resquícios da Covid-19]

FOTO: Divulgação

Além da prevenção, do diagnóstico, do tratamento e da cura, cientistas buscam soluções para os efeitos da Covid-19 na saúde mental dos pacientes. É preciso oferecer soluções àquelas pessoas que nem sempre conseguem lidar – algo totalmente aceitável – às eventuais reações e sequelas da doença do novo coronavírus.

Este é um louvável esforço de pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Goiás (UFG), que analisam as complicações do novo coronavírus em hipertensos.

O projeto investiga a presença de depressão, ansiedade e estresse após os pacientes terem a Covid-19, e como essas enfermidades afetam os cuidados com a hipertensão.

Trata-se de um olhar ao paciente e captar, pelo corpo, as respostas do impacto da doença, como, por exemplo, a tristeza. Deve-se, então, por meio da ciência, identificar o que leva a ter essas consequências em termos de saúde mental e propor uma intervenção efetiva.

Um dado quase empírico e com o qual sempre trabalham os médicos e pesquisadores: metade dos pacientes não faz um controle eficaz da hipertensão. E é o motivo dessa falta de cuidado que este estudo em questão busca identificar, pois há um impacto na qualidade de vida dessas pessoas.

Como os próprios cientistas ressaltam, este estudo facilita a tomada de decisão e o planejamento de cuidados que minimizem a ocorrência de desfechos negativos, como a hospitalização, a insuficiência cardíaca e o acidente vascular encefálico, e contribuem para a melhor qualidade de vida desse paciente.


Comentários

Relacionadas

Veja Também

[Ator Rodrigo Hilbert estreia série de aventuras com o Bronco Sport]

A série de três filmes poderá ser vista no Youtube da Ford e também no Instagram da marca e de Rodrigo Hilbert  

Fique Informado!!

Deixe seu email para receber as últimas notícia do dia!