Reduflação: entenda por que os produtos estão menores mas os preços continuam elevados

As compras no supermercado exigem cada vez mais atenção

[Reduflação: entenda por que os produtos estão menores mas os preços continuam elevados]

FOTO: Fernando Frazão / Agência Brasil

Mesmo em queda nos últimos meses, a inflação fechou em alta com 0,47% em maio, o que mantém baixa o poder de compra do consumidor que ainda enfrenta a reduflação nas prateleiras do mercado. A pratica adotada pelas indústrias reduz e muda a qualidade dos produtos alimentícios com o intuito de manter os lucros. 

Para a atendente de telemarketing, Tamiris Costa, a ida ao mercado requer tempo já que agora “é necessário olhar com calma cada item e fazer substituições por marcas menos conhecidas que tenham um preço melhor”. A consumidora percebe também a mudança na textura, especialmente dos derivados. “ O leite em pó está cada vez mais grosso, não dilui como antes”.

A dona de casa, Uilma Oliveira, disse que só percebeu a mudança quando os produtos passaram a acabar antes do tempo de costume. “Só me dei conta porque tinha muita coisa que dava para passar o mês, o feijão mesmo. Achei estranho e fui olhar, 800g não é mais 1kg. E o sabor não é mais o mesmo”.

A reduflação se tornou mais comum no momento em que o país enfrenta uma alta inflação e a perda do poder aquisitivo da população. Segundo o economista e conselheiro do Corecon-Ba, Edval Landulfo, a grande procura por commodities tem elevado o valor dos produtos e, por isso, as empresas adotam as modificações sejam na composição ou no tamanho dos produtos para manter o lucro. 

“A indústria consegue manter o mercado, mas todos estão sentindo isso. Inclusive, os donos de supermercados que percebem que há uma queda nas compras dos consumidores que deixam de levar muitos produtos. A solução é restabelecer o poder de compra da população e frear a valorização do dólar”, afirma. 

De acordo com o diretor de Fiscalização do Procon-BA, Iratan Vilas Boas, as empresas podem fazer a alteração desde que a mudança seja especificada na embalagem. “A informação deve constar como era antes e o estado atual. Para mostrar que houve de fato a redução. O código do Consumidor pede que seja informado de forma ostensiva”. Em casos de irregularidades, as empresas podem ser autuadas pelo Procon com multa que varia de R$ 400 até R$ 6 milhões. 
 


Comentários

Relacionadas

Veja Também

Fique Informado!!

Deixe seu email para receber as últimas notícia do dia!